Câmbio PDK, desvendando os segredos da Porsche AvantGarde
AvantGarde > Acontece > Tudo sobre esportivos! > Cambio PDK, desvendando os segredos da Porsche

Cambio PDK, desvendando os segredos da Porsche

4 de outubro de 2017 / 1290 / Tudo sobre esportivos!
Facebook It
Tweet It
Pinterest It
Google Plus It

Um dos principais componentes dos Porsche na atualidade é o famoso Câmbio PDK. Mas, o que ele tem de tão especial? A Porsche produz um dos únicos carros que se mantém a fiéis às tradições da esportividade.  O Porsche 911 nunca foi oferecido com câmbio automático tradicional. Mas a Porsche, obviamente, já ofereceu conforto e conveniência de outras formas. A forma atual que alia conforto, eficiência, economia e esportividade é o Câmbio PDK.

PORSCHE 911: 5 MOTIVOS PARA VOCÊ DESEJAR A GERAÇÃO 997
PORSCHE 911 CARRERA 4S, O CLÁSSICO DOS CLÁSSICOS
PORSCHE BOXSTER GTS, CANDIDATO A CLÁSSICO.

Porsche-Doppelkupplung ou Câmbio PDK para os íntimos

A fórmula atual do Câmbio PDK apareceu mais precisamente em 1982. Naquele momento a Porsche implementava a transmissão equipada com dupla embreagem nos Porsche 956 em provas europeias de longa distância. Dotado de 7 marchas, o funcionamento se baseia em duas embreagens. A primeira embreagem das marchas pares mais a ré, a segunda das ímpares. Assim, quando a quarta marcha está sendo usada, a quinta já está engatada, por exemplo. Tudo isso oferece mais suavidade na trocas e rapidez no ganho de velocidade. Mesmo pesando 20 kg a mais que a transmissão manual, ainda é mais leve que o já ultrapassado Tiptronic de 6 marchas.

Long long time ago
Muitos pensam que o Tiptronic foi o primeiro cambio que a Porsche usou paraa trocar machas automaticamente, mas, não é bem assim. Em 1968 a Porsche desenvolveu um câmbio chamado Sportomatic, que fazia exatamente isso. Era uma tecnologia revolucionária, mas algo tão evoluído que não chamou a atenção dos donos de Porsche. Por essa razão, o câmbio Sportmatic ficou esquecido na história da Porsche, mesmo sendo oferecido até meados dos anos 80.

O vovô  Sportmatic

Na década de 60, cambio automático em carros esportivos era coisa de americano, que não sabia dirigir e tinha motores V8 gigantescos. Os alemães têm o dom de criar soluções engenhosas para problemas que (ainda) não existem, mas surgirão. Dentre eles citamos o próprio automóvel, ciclo Otto, CVT, MP3 e podemos dizer, o Marxismo (vamos mudar de assunto para não gerar problemas). A ideia de inventar um câmbio manual com uma embreagem seca operada por vácuo e um conversor de torque no lugar do volante inercial do motor. Quando o motorista tocava a alavanca, o sistema a vácuo era acionado e desacoplava a embreagem. Ao soltar a alavanca, o sistema voltava a acoplar a embreagem. Genial não? Veja abaixo o esquema:

O avô do Câmbio PDK apareceu no Porsche 911 em 1968, apesar de brilhante, não fez muito sucesso.

Câmbio Tiptronic, quase lá…

Antes de equipar seus carros com o PDK, a Porsche utilizou um câmbio automático sequencial conhecido por Tiptronic S. O problema é que ele sempre deixou a desejar, especialmente por não obedecer aos comandos do motorista. Também devido à existência de um conversor de torque, notoriamente conhecido por furtar desempenho do mais esportivo dos carros. O motorista tinha que conviver com trocas lerdas, que raríssimas vezes obedeciam aos comandos do motorista e, ainda por cima, lá estava o conversor de torque para sacanear um pouco mais a equação da dirigibilidade.

O câmbio automatizado TIptronic apareceu na década de 90 para suprir a demanda por conforto e trocas de marchas automáticas.

Enfim o Câmbio PDK

Vamos direto ao ponto, o Câmbio PDK deu à Porsche uma arma poderosíssima contra a concorrência. Com sua embreagem dupla e trocas tão rápidas quanto um piscar dos olhos. O equipamento é tão bom que tornou os carros equipados com ele mais rápido que os modelos manuais e até passou a ser a única opção nos modelos GT3 e GT3 RS.

O Porsche GT3-4a geração é um feliz usuário do câmbio PDK

Câmbio convencional

Num câmbio manual convencional, a mudança de marcha requer que o motorista aperte o pedal da embreagem. A embreagem desacopla o motor da caixa de câmbio e interrompe o fluxo de potência para ela. Em seguida usa a alavanca de câmbio para escolher uma nova marcha, movendo a luva de engate de uma para outra de tamanho diferente. Dispositivos chamados sincronizadores igualam as rotações do garfo de engate e da engrenagem a ser engatada para impedir que haja a “arranhada”. Uma vez que a nova marcha esteja engatada, o motorista solta o pedal de embreagem, que reconecta o motor de novo à caixa de câmbio e transmite a potência para as rodas. Lento só de pensar né? Isso gera interrupções no fluxo de potencia do motor para as rodas e perdas, muitas perdas.

Câmbio PDK

Para o carro em aceleração  a cada troca de marcha, a marcha atual selecionada está em uma caixa de marcha. Realizando a transmissão de força do motor para as rodas. A segunda caixa de marcha já mantem selecionada a marcha seguente acima, com isso a perda de força e o tempo de troca da marcha é incrivelmente baixo, como a perda de força é muito insignificante, isto resulta em um melhor consumo do combustível. Para desacelerações  a dupla caixa de marcha funciona em sentido inverso. Enquanto a marcha atual está seleciona em uma das caixa de marcha, a outra caixa de marcha já seleciona uma marcha a menos que a atual. Segundo a Porsche, o PDK é 60% mais eficiente e, junto da nova injeção, colabora para reduzir em 15% a emissão de poluentes. Confira o vídeo abaixo.

Várias vantagens

Uma das principais motivações para a Porsche usar o Câmbio PDK é tornar seus carros mais econômicos. De consequência, alcançar os níveis mais baixos de emissões das rígidas normas europeias. O 911 Carrera Coupé, por exemplo, equipado com o novo propulsor 3.6 l e a transmissão PDK, conseguiu uma média de consumo de 10,2 km/l com uma queda na emissão de dióxido de carbono da ordem de 15%. E isso sem perda na potência. A nova geração do boxer 3.6 l, com injeção direta de combustível, está 20 cv mais potente, desenvolvendo agora 345 cv. Já o bloco 3.8 l ganhou 30 cv e passa a entregar 385 cv. O Carrera S, equipado com ele, agora ultrapassa os 300 km/h de velocidade máxima. Para provar a eficiência do Câmbio PDK, a fabricante alemã informa que o Carrera Coupé equipado com a nova caixa de dupla embreagem conseguiu acelerar de 0 a 100 km/h em 4s5, tempo 0s2 mais rápido do que a versão com câmbio manual de 6 velocidades.

 

Equipamentos para tornar o câmbio PDK ainda melhor

A Porsche ainda oferece, como opcional, o sistema Sport Chrono Plus com o Launch Control (controle de largada), que, acoplado ao PDK, não permite que as rodas girem em falso em uma aceleração mais forte. Com esse dispositivo, o mesmo Carrera Coupé baixou o tempo registrado para 4s3. Claro que ainda existem puristas que reclamam da falta do velho câmbio manual, mas quem em sã consciência deixaria de usar uma tecnologia que é melhor em tudo?

Leave your comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Precisando de uma ajuda para escolher um veiculo?

Entre em contato